domingo, 28 de junho de 2015

ADRE E O GOVERNADOR

Após "peleja" com dirigente da Pastoral Carcerária, Flávio Dino (PCdoB) pode ter de enfrentar um adversário de peso ainda maior: a Arquidiocese do Maranhão


O desentendimento entre o dirigente da Pastoral Carcerária do Maranhão, o padre mexicano Roberto Perez Cordova, e o governador do Estado, Flávio Dino de Castro e Costa (PCdoB), pode desencadear uma crise sem precedentes nas relações institucionais entre o Governo e a Igreja Católica, cuja ressonância só encontra comparativo nos tempos da ditadura militar no Maranhão.

Ao ousar criticar o governador Flávio Dino, rebatendo o discurso deste de que a situação em Pedrinhas estava melhor desde 1o. de janeiro, início da atual gestão estadual, em reunião realizada com membros da referida Pastoral dentro do Palácio dos Leões, padre Roberto talvez não imaginasse que estaria "comprando briga" com quem "não foge à luta", cuja tática principal é se defender atacando.

Logo após a divulgação da Carta da Pastoral Carcerária, direcionada a Flávio Dino, os Leões do Palácio se apressaram em emitir Nota Oficial desdizendo a epístola eclesiástica e desqualificando as críticas do corajoso mexicano. Afinal, "peitar" o governador dentro do Palácio é coisa para "cabra-macho".

Como tática de desqualificação das críticas, a Nota do Governo do Maranhão revelou que o padre mexicano recebia uma espécie de "mensalinho" no governo Roseana Sarney, no valor de R$ 2.300,00, por meio de uma empresa terceirizada que prestava serviços dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

O próprio governador utilizou seu perfil no Twitter para endossar a Nota Oficial e criticar veementemente a postura crítica do padre em relação à situação do sistema prisional no Maranhão. Para Dino, Cordova estaria ressentido com a perda da "boquinha".

Declarações de Dino no Twitter aumentaram a cizânia entre o Governo e membros da Igreja Católica

Na esteira dos acontecimentos, como era de se esperar, outras vozes de destaque na Igreja do Maranhão começaram a se levantar em defesa do padre Roberto Cordova. A mais contundente até agora foi a do padre italiano Cláudio Bombieri, ligado a entidades católicas como a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Conselho Indigenista Missionário (CIMI), entre outras. Em um blog que mantém na internet, Bombieri tratou de descrever a referida peleja em texto cujo título questionava: "Deu a louca no governador do Maranhão?" (confira aqui).

Ao se "destemperar" com o dirigente da Pastoral Carcerária, dado o tom ácido da Nota do Governo e das próprias "tuitadas" do governador, Flávio Dino pode esbarrar em um "adversário" de peso ainda maior: a Arquidiocese do Maranhão. E para isso deve mobilizar todas as vozes alinhadas ao seu projeto político para fazer coro às suas declarações.

Já circula pelo menos em um blog da capital, por exemplo, graves denúncias de um sindicalista ligado ao PCdoB, partido do governador, que atua junto ao Sindicato dos Agentes Penitenciários de Pedrinhas, dando conta de "esquemas de corrupção" no sistema prisional maranhense que estariam contando com a "cobertura de autoridades ligadas à cúpula eclesiástica do estado" (veja aqui).

As implicações de tais denúncias, declarações e acusações gravíssimas, eclodidas em menos de 24h após a peleja entre o padre e o governador, podem "forçar" um posicionamento oficial do arcebispo metropolitano de São Luís, dom Belisário, que é a autoridade máxima da Igreja Católica no Maranhão, seja exercendo o papel de "mediador" e/ou de "apaziguador" dos ânimos exaltados ou de defensor da democracia e da liberdade de expressão do padre estrangeiro e da Pastoral Carcerária.

Seja como for, em que pese as tentativas de desqualificação de seu "algoz", a imagem midiática do governador comunista parece ter sido irremediavelmente "arranhada" pelo destemor do padre mexicano que, ao ousar contradizer Flávio Dino dentro de seus domínios palacianos, despertou não só a ira flamejante dos Leões, como também a atenção de muitos que ainda não conheciam esse lado obscuro e nada republicano do dirigente-mor do Maranhão.
 
Por Hugo Freitas

sábado, 27 de junho de 2015

Governo se pronuncia sobre polêmica Carta da Pastoral Carcerária do Maranhão



NOTA OFICIAL

A respeito de nota atribuída à Pastoral Carcerária (que critica o que chamou de "atitudes prepotentes e descontroladas do governador Flávio Dino (PCdoB) (CONFIRA AQUI), o Governo do Maranhão tem a informar:

1 – A nota é absurdamente inverídica, pois jamais o governador do Estado afirmou que o sistema penitenciário estava perfeito e isento de problemas, tampouco se “descontrolou”. Frise-se que a reunião encontra-se gravada e terminou com uma festiva foto, com todos os participantes.

2 – O governador do Estado apenas respondeu a uma equivocada afirmação de que o sistema penitenciário “piorou” neste ano de 2015. Ao fazê-lo, resumiu os avanços e anunciou as medidas que serão adotadas para continuar melhorando. Lembramos que, neste ano, houve uma redução de 61% no número de fugas e de 63% no número de mortes, e nenhuma rebelião em Pedrinhas. Os dados são públicos e estão à disposição de todos.

3 – Na verdade, a nota atribuída à Pastoral Carcerária deriva da revelação de que um dos seus membros recebia remuneração indevida de uma empresa terceirizada no sistema penitenciário. O que gera, aí sim, reações prepotentes e descontroladas.

4 - Sobre a presença da Pastoral Carcerária em Pedrinhas, ela será sempre bem vinda, assim como tem sido bem recebidas todas as instituições que verdadeiramente querem melhorar a execução penal no Brasil. O governo do Maranhão vai continuar corrigindo os erros do sistema penitenciário, nos termos de Acordo assinado com o presidente do Supremo Tribunal Federal e outras autoridades.

Governo do Estado do Maranhão
São Luís, 27 de junho de 2015.

Pastoral Carcerária divulga Carta criticando "prepotência e descontrole" do governador Flávio Dino

Ao ser contrariado com críticas ao sistema prisional do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) demonstrou falta de equilíbrio emocional com o padre que dirige a Pastoral Carcerária

Aos poucos, a população do Maranhão vai tomando conhecimento daquilo que somente se sabia nos bastidores da política estadual: o "destempero" emocional de Flávio Dino (PCdoB) diante das críticas.

No início da tarde deste sábado (27), a Pastoral Carcerária do Maranhão divulgou Carta onde "repudia veementemente" o que chamou de "atitudes prepotentes e descontroladas do governador do Estado, Flávio Dino".

O texto descreve, pelo ponto de vista do "denunciante", o que teria ocorrido numa reunião entre representantes do Governo do Estado, incluindo o governador Flávio Dino, e da Pastoral Carcerária do Maranhão, realizada na manhã de hoje, tratando sobre a situação caótica encontrada no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

A "pauta" Pedrinhas veio à tona novamente após visita de membros da CPI do Sistema Carcerário ao Maranhão para constatar as falências da "masmorra medieval" em que se transformou o maior presídio do estado.

Diante das críticas contra o estado de precariedade infra-estrutural de Pedrinhas e das condições sub-humanas a que estão subjugados os detentos, Dino teria reagido ferozmente contra o dirigente da Pastoral, o padre Roberto Perez Cordova, o que motivou a divulgação da Carta, cuja íntegra segue abaixo:

Carta aberta da Pastoral Carcerária do Maranhão ao senhor governador

A Pastoral Carcerária do Maranhão vem através dessa nota repudiar veementemente as atitudes prepotentes e descontroladas do governador do Estado, Flávio Dino, dirigidas ao nosso coordenador estadual durante uma reunião, no dia 27 deste, com diferentes entidades da sociedade civil em que se apresentava a o projeto de lei da criação do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura e o Comitê Estadual de Combate à Tortura. Tudo começou quando o senhor governador, surpreendentemente, iniciou a auto-elogiar o seu governo, notadamente, o atual sistema prisional. Afirmou que com o advento da sua administração tudo teria mudado nas penitenciárias e prisões do Estado: os presos têm defensores públicos, há escolas e professores, não há mais maus tratos e nem repressão, não mais rebeliões e mortes entre presos, e nem tentativas de fugas. Enfim, o que não se fez em décadas de administração pública ele o teria feito em poucos meses.

Diante de tamanha distorção da realidade prisional o coordenador da Pastoral sentiu-se na obrigação moral de fazer observar ao senhor governador que o que ele expunha com tanta convicção não correspondia à objetividade dos fatos. Relatou o coordenador que os maus tratos continuavam com a mesma ou até maior intensidade que antes em todas as prisões do Estado. Observou que já houve várias mortes de presos nesses primeiros meses de governo, sem falar em fugas, algumas notórias, inclusive, pelo portão principal da penitenciária de segurança máxima em São Luís. Acrescentou que o atual secretário de segurança administra de forma personalista a partir do gabinete dele sem que haja diálogo, visita e comunicação efetiva com diretores, presos e entidades da sociedade civil. Diga-se, de passagem, que uma recente visita de uma comissão parlamentar à penitenciária de Pedrinhas confirmou tudo isso. A reação do governador deixou boquiabertos não somente o coordenador da Pastoral carcerária, mas também todos os presentes. Visivelmente alterado respondeu ao coordenador que ele não conhecia a história do Maranhão, que a sua era uma postura política, preconceituosa, que ele não tinha senso crítico. Em tom desafiador desconfiou da experiência e conhecimento de causa do coordenador e o acusou de ignorar os avanços e as mudanças que ocorreram no governo dele no sistema prisional.

Diante do exposto gostaríamos de colocar algumas considerações até como forma de ajudar o executivo estadual a encontrar e aprofundar o rumo do diálogo e da aceitação do contraditório como expressão democrática.

1. Como Pastoral carcerária e como sociedade civil cabe-nos a tarefa de acompanhar e defender a dignidade de toda pessoa, e da pessoa toda, principalmente no que tange a população encarcerada do Estado do Maranhão. Solicitamos do senhor governador que apresente para a sociedade dados objetivos que comprovem o que ele afirma com tanta segurança a respeito da realidade prisional. Quantos novos professores, escolas, defensores públicos, por exemplo, foram contratados no seu governo, e em quais casas de detenção estão atuando. Essas eram algumas das informações que esperávamos dele no embate com o coordenador, em lugar de ‘reagir’ da mesma forma que os seus antecessores quando alguém ensaiava ‘arranhar a sua imagem pública’ com dados e argumentações.

2. Queremos acreditar que o seu destempero emocional exibido na reunião – e que produziu constrangimento generalizado nos presentes, – tenha sido algo circunstancial e não uma expressão do seu ‘modus vivendi’, pois estaria colocando em xeque o direito sagrado ao ‘contraditório’ que ele sempre defendeu. Enfim, que reconheça, de fato, para os seus cidadãos o direito da livre expressão, inclusive o de discordar com o ‘servidor-mor’ do Estado, pois isso é democracia substantiva!

3. Na reunião o senhor governador em duas ocasiões alardeou que iria convocar a Pastoral carcerária para ‘sentar’ e debater questões vitais relacionadas ao sistema prisional. Reiteramos aqui a nossa disponibilidade para não somente sentar com representantes do Estado, mas, principalmente, para visitar, apoiar e defender os presos, – sejam eles quem forem, – e seus inalienáveis direitos. Reafirmamos a nossa disposição em sempre denunciar toda tentativa de brutalidade e repressão por parte das estruturas do estado e de outros que queiram reduzir a vida de um ser humano que já nesta pagando seus erros a uma mera ‘peça’ descartável.

São Luís, 27 de junho de 2015
Pastoral Carcerária do Maranhão

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Açailândia: STF determina retorno de Gleide Santos ao cargo

gleideO presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, suspendeu liminar do Tribunal de Justiça (TJ) do Maranhão e determinou, há pouco, o retorno de Gleide Santos (PMDB) ao cargo de prefeita de Açailândia.
A peemedebista havia sido cassada em março, por peculato. Ela foi acusada pelo Ministério Público de usar maquinário e servidores do Municípios em trabalhos numa fazenda de sua propriedade.
“Defiro a medida liminar, para possibilitar o retorno da requerente ao cargo que exercia como Prefeito do Município de Açailândia/MA, sem prejuízo de que o Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão fixe outras medidas cautelares, previstas no art. 319 do CPP, conforme entender necessário e suficiente”, despachou Lewandowski.
A decisão do presidente do STF já foi comunicada ao TJ, via fax, o que deve possibilitar o retorno de Gleide Santos ao posto de prefeita logo nas primeiras horas da manhã de quinta-feira (25).

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Presidente da Câmara e Vereadores pedem demissão imediata de Funcionários em Tuntum/MA.


 
Como havia dito, aí está o ofício que será  encaminhado ao Prefeito e ao Secretário de Educação domunicipio de Tuntum/MA, pedindo a imediata exoneração dos funcionários: Emerson Araújo, Presidente do Conselho Municipal de Educação e de Francisca Carvalho, Sub Secretária de Educação, ambos funcionários do municipio de Tuntum/MA.O pedido segue assinado por 9(nove) vereadores, inclusive o Presidente da Câmara, Nelson do Nanxi..

Do Blog Acorda Tuntum

Essa é a nota de REPÚDIO, dos Vereadores de Tuntum/MA..


Como havia prometido, essa é a nota de repúdio de 11(onze), vereadores de Tuntum/MA, contra a postagem da Sub Secretária de Educação do municipio, Francisca Carvalho e do comentário do Presidente do Conselho Municipal de Educação Emerson Araújo. Daqui a pouco postarei o ofício que pede a exoneração dos dois funcionários da Prefeitura de Tuntum/MA.

Do Blog Acorda Tuntum

BOMBA, BOMBA E BOMBA, VEREADORES PEDEM A CABEÇA DE DOIS FUNCIONÁRIOS DA SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO EM TUNTUM/MA

Do Blog Acorda Tuntum

Vereadores encaminharam hoje, NOTA DE REPÚDIO e DEMISSÃO IMEDIATAMENTE, do Presidente do ConselhoMunicipal de Educação, EMERSON ARAÚJO e da Sub Secretária de Educação, Francisca Carvalho, ao Prefeito e ao Secretário de Educação do nosso municipio. Tal indignação se deve ao fato dos vereadores terem ficados indignados com a forma como os dois altos funcionários do Prefeito, Se referiram aos vereadores com mensagens caluniosas, Francisca Carvalho diz o seguinte:"Nas próximas eleições na hora de votar pense 70 X 7 antes de votar em algum dos vereadores", já o Emerson de Araújo diz: "A Câmara de Vereadores, mostra que a falta de postura legislativa com decoro sem a mínima formação de nada. Um circo de péssima qualidade aquilo aí, ninguém aguenta mais tanta asneira"...,



Os Vereadores Elias Brasil, Manoel Paca, Vereador Josivan e Vereador Ivalto, subiram a Tribuna e pediram a demissão imediata dos dois funcionários que zombaram de forma caluniosa dos vereadoes de Tuntum/MA. Daqui a poucos instantes os ofícios: Exigindo a Demissão Imediata dos dois funcionários, assinados, pelos vereadores.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Enquanto Flávio Dino fecha hospitais, Pacientes disputam maca no PS de Cuiabá e um agride o outro


É essa a situação que você pretende para o Maranhão, Flávio Dino
É essa a situação que você pretende para o Maranhão, Flávio Dino
Quanta falácia da gestão péssima de Flávio Dino, que vem fechando hospitais e, consequentemente, leitos hospitalares, visto que alardeia não poder repassar R$ 100 mil para as prefeituras onde estão os hospitais de 20 leitos!!! O pior é escutar balela desse desgoverno que se instalou no Maranhão, haja vista que isso não representa nada, nadica de nada, no orçamento do Estado. Na verdade, sua preocupação é com a politicalha e não com o bem-estar da população. Que isso sirva de exemplo para o governo: Paciente que tomava soro levou um tapa no rosto no corredor de unidade. Uma sindicância foi aberta pela Secretaria de Saúde para apurar o caso.
Em disputa por uma maca, um paciente agrediu o outro no Pronto-Socorro de Cuiabá, como mostram imagens gravadas pelo celular. A vítima estava deitada na maca, tomando soro, quando o outro paciente se aproximou e lhe deu um tapa, exigindo que saísse da maca que seria dele. O caso está sendo apurado pela Secretaria de Saúde da capital.
O vídeo gravado no corredor da unidade de saúde, que está circulando nas redes sociais, expôs a falta de estrutura e de leitos do hospital. Ainda não se sabe a data em que as imagens foram gravadas.
Um servidor do pronto-socorro que pediu para não ter o nome divulgado confirmou que a agressão ocorreu recentemente na unidade e que o rapaz que foi agredido estava em uma cadeira e, quando o outro paciente se levantou, ele se deitou na maca. Ao voltar, o ‘dono da maca’ o agrediu.
Segundo esse mesmo servidor, os corredores sempre estão lotados de pacientes, já que não há leitos suficientes para atender a demanda.
De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, uma sindicância foi aberta para apurar o ocorrido.
Após levar um tapa no rosto, o paciente que estava com a cabeça enfaixada se levantou e cedeu a maca para o agressor, que também estava com ferimentos. Várias pessoas estavam no local, mas ninguém interferiu.